Cyberbullying: tudo o que precisa saber sobre esta ameaça

Cyberbullying: tudo o que precisa saber sobre esta ameaça

A era digital trouxe muitos avanços e comodidades ao mundo moderno, e a internet é talvez um dos principais avanços. Porém, ao mesmo tempo em que a internet oferece coisas boas, pode também apresentar ameaças, especialmente às crianças. Uma dessas ameaças é o cyberbullying.

O cyberbullying é um dos fenómenos que mais cresce no ambiente virtual, e atinge milhares de jovens e crianças por todo o mundo. Mas, o termo é relativamente novo, e ainda desconhecido de muitas famílias.

Para informar pais e educadores responsáveis por centros de estudos, sobre essa forma de violência, apresentamos-lhe de seguida informações que precisa ter em mente para combater esta prática.

Saiba então os cuidados necessários para proteger o seu filho deste tipo de agressão.

Cyberbullying: O que é?

A palavra cyberbullying pode ser definida pela junção de dois termos:

  • Cyber – Designa algo que acontece no mundo virtual
  • Bullying – Como a prática de violência, especialmente psicológica contra uma criança ou adolescente

O bullying, de acordo com psicólogos, consiste numa espécie de perseguição praticada por uma ou mais pessoas. O mesmo tem como intuito humilhar de forma prolongada outra pessoa mais “fraca”. A vítima, por estar vulnerável não se consegue proteger desta agressão.

Com a utilização massiva das redes sociais, essa forma de violência difundiu-se pelo mundo virtual. Aqui, o agressor utiliza o anonimato proporcionado pela internet para propagar informações que agridem a outrem.

Quais os tipos de cyberbullying?

O cyberbullying pode-se manifestar de diversas formas no ambiente virtual. Veja agora algumas das mais comuns.

1 – Ameaças e perseguição

Os agressores atacam as suas vítimas de forma sistemática, enviando mensagens com conteúdo de ódio ou ameaças. As vítimas passam a sentir-se cada vez mais intimidadas pela perseguição e envio de conteúdo hostil.

2 – Invasão de contas e roubo de identidade

Muitos agressores acabam por ter acesso às senhas das redes sociais da vítima, e passam a difundir conteúdo inapropriado. Esta difusão de informação tem como objetivo humilhar a vítima.

Há também casos em que o agressor cria um perfil falso com o objetivo de afetar negativamente a sua reputação online.

3 – Humilhação pública

Outra forma muito comum de cyberbullying é humilhar a vítima publicamente. Isso é feito através do envio de mensagens contendo imagens ou outros tipos de conteúdo que lhe afetem diretamente a reputação e honra perante outros.

Quais as consequências do cyberbullying?

A prática do cyberbullying pode trazer consequências drásticas, principalmente entre jovens e crianças. Isso porque eles possuem uma autoestima mais frágil, e muitas vezes não sabem como pedir ajuda para resolver o problema.

Atacar alguém de forma que a vítima sinta o seu valor diminuído e a sua identidade prejudicada é extremamente grave. E em alguns casos pode levar ao desenvolvimento de doenças psíquicas como a depressão. A par disso, em casos mais radicais pode levar ao suicídio.

Como identificar se uma criança ou jovem é vítima de cyberbullying?

É preciso atenção por parte dos pais e educadores para que possam identificar quando alguma criança é vítima de cyberbullying.

Dificilmente a própria vítima vai falar ou procurar ajuda de outra pessoa, pois tem medo que o problema se agrave. Porém, quem sofre com esse tipo de violência costuma apresentar algumas mudanças de comportamento, que incluem:

  • Isolamento
  • Declínio do rendimento escolar
  • Recusa a estar entre amigos e colegas
  • Não ter vontade de sair de casa

Caso seja identificado algum destes comportamentos numa criança ou adolescente, é importante manter um diálogo. Tente criar um vínculo de confiança para que ela se sinta à vontade para expor o problema e procurar ajuda.

Como combater a prática do cyberbullying?

Não é recomendável adotar medidas radicais, como impedir as crianças e jovens de manter os seus perfis nas redes sociais. Entretanto existem algumas práticas que podem tornar a utilização da internet mais segura e evitar esse tipo de assédio.

  • Não disponibilizar informações pessoais ou íntimas nas redes sociais
  • Não aceitar pedidos de amizade de perfis desconhecidos
  • Manter os perfis nas redes sociais em modo privado
  • Não responder a ameaças ou incitações de ódio online
  • Armazenar todas as mensagens recebidas

É importante ainda que pais e educadores conversem abertamente com as crianças e adolescentes sobre essa prática.

A informação, disseminação de meios de prevenção o conhecimento de possíveis consequências do cyberbullying são meio caminho andado para evitar este problema.

autoestima, Bullying, Cyberbullying, mensagens de ódio, ódio online, perigos das redes sociais, prática do cyberbullying, vítima


Somos um centro de estudos em telheiras, onde o nosso foco é a sua Família e os desafios com que se depara. Assim, oferecemos-lhe uma resposta especializada, multidisciplinar e flexível, adaptada aos seus horários e necessidades.